Home
Proposta do Evento
Um pouco sobre o Ruy
Agenda de Encontros
Álbum de fotos
Colunas do Ruy
Livros
Eu Fui!
Conheça a equipe
Imprensa
Sugira um convidado
Faça contato conosco
Livro - Encontros com o Professor - Cultura Brasileira em Entrevista - Volumes I, II, III,
IV , V, VI e VII
Ver todos

  


Ouça o Encontros na
Rádio CBN 1340.
Aos sábados, às 10h,
e segundas-feiras, às 14h.

 
 
Colunas do Ruy

Cadastre-se e receba as colunas do Ruy.

Seu nome
Seu e-mail

Desejo receber novidades
no e-mail informado acima.

26/09/2014

80 anos
Com o comedimento que se requer para essas ocasiões, que sempre são delicadas, muito pessoais e intransferíveis por isso mesmo, completei 80 anos. É muita idade. É muito tempo. Mas, não comemorei porque acho que faz parte de uma espécie de vitória sobre as coisas. Uma pequena vitória. Muito Pessoal. Também intransferível. Não posso sair alardeando que sou eu que consegui tamanha façanha, até porque não é façanha, é resistência. Uma pura resistência. E aí, o mundo fica um pouquinho diferente e a gente nem sempre percebe.

A idade tem uma qualidade intrínseca, além de outras. A idade é, sobretudo, a acumulação de experiência. É uma espécie de esclarecimento sobre as coisas que acontecem. É o modo como a gente já fez coisas, já passou por elas, tomou decisões a respeito delas, voltou atrás, se corrigiu e até já ficou quieto. A experiência é isso. É um amplo quadro, dentro do qual a gente consegue transitar para cá e para lá e vai acrescentando aquilo que a gente é. Quem conhece a gente são as pessoas próximas. As pessoas à distância fazem uma ideia e sempre essa ideia é um pouco, assim, ligada à aparição, ao movimento, à frase. Enfim, não diria coisas superficiais, não, mas coisas secundárias em relação aquilo que tanto interessa que é esse autoconhecimento, esse reconhecimento. Então, a gente tem que lidar com calma.

Eu hoje sei exatamente que muitas coisas já passaram. A essas que já passaram, a pergunta é: ficaram onde? Pois ficaram em algum lugar. Esse lugar é a descoberta que a gente precisa fazer. Precisa saber onde ficou aquela experiência, com os seus caracteres, com a sua exigência, com a sua mobilidade. Onde ficou? De que modo aparece? E como ela agora pode me ajudar?

Eu caminho de um lado para o outro às vezes pensando nisso. Mas com a idade em que cheguei, eu penso exatamente que já é um marco. Já é uma posição. Já é uma relação. Já consigo olhar para frente e ver algumas coisas. Isso é idade. Talvez, possa ser um pouco de sabedoria.


 
Outras colunas
3/12/2008   Todos podem saber, não custa nada
20/11/2008   A Feira que não terminou
12/11/2008   O que fazia Galeano?
5/11/2008   Livros, gente, loucos e desatinados
29/10/2008   Quem foi que mandou ficar de pé?
1/10/2008   Lavar-se com Machado de Assis
17/9/2008   Olhar molhado
3/9/2008   A fatiota do ministro
20/8/2008   Um ser olímpico, não!
6/8/2008   Nosso suntuoso preconceito
23/7/2008   O que se aprende nunca é pouco
9/7/2008   Aviões nunca mais
25/6/2008   O bom das leituras
11/6/2008   A doxa de todos nós
28/5/2008   Enfim, a barba
14/5/2008   Logo que o sol baixava
7/5/2008   Pequenas confissões diárias
23/4/2008   Não pode ficar na gaveta
9/4/2008   38 na cara
26/3/2008   Os fotógrafos e eu também
13/3/2008   Bez Batti com as pedras
28/2/2008   Malas Vazias
14/2/2008   Tarefas do Verão
31/1/2008   Viajar
17/1/2008   Conversação Mínima
3/1/2008   A mão direita
   
Colunas de 2014
Colunas de 2013
Colunas de 2012
Colunas de 2011
Colunas de 2010
Colunas de 2009
Colunas de 2008
Colunas de 2007
Colunas de 2006
Colunas de 2005
   
   
 
Depoimentos

25/10/2013
Milton do Prado, Cineasta
 
Admiro
Venho sempre que posso ao Encontros com o Professor. Admiro muito o Ru...
Cultura e educação
O Encontros é realmente muito interessante. É cultura é educação. Serv...
 
Patrocínio

Promoção Apoio Realização