Home
Proposta do Evento
Um pouco sobre o Ruy
Agenda de Encontros
Álbum de fotos
Colunas do Ruy
Livros
Eu Fui!
Conheça a equipe
Imprensa
Sugira um convidado
Faça contato conosco
Livro - Encontros com o Professor - Cultura Brasileira em Entrevista - Volumes I, II, III,
IV , V, VI e VII
Ver todos

  


Ouça o Encontros na
Rádio CBN 1340.
Aos sábados, às 10h,
e segundas-feiras, às 14h.

 
 
Colunas do Ruy

Cadastre-se e receba as colunas do Ruy.

Seu nome
Seu e-mail

Desejo receber novidades
no e-mail informado acima.

14/08/2014

A reabilitação que vem com a morte

A morte não tem consolo. Não só a morte, é verdade, mas ela, particularmente. Quer dizer, não há como substituí-la por outra coisa. Ela é o encerramento de uma memória, o encerramento de um fato. Assim como ela é também capaz de reabilitar, uma vez exercida, as relações de conhecimento, de admiração e até mesmo aquelas que invadiriam o futuro, se houvesse futuro.

O candidato à presidência da república pelo partido PSB, Eduardo Campos, não era suficientemente conhecido. Era um homem vivo, ativo, surpreendente até, de boa frase, de boas ideias, um socialista moderado, que tinha uma visão de mundo. Não seria agora, talvez. Talvez fosse nas próximas eleições. Mas agora ele começava gradativamente a exercitar uma posição. E o que é importante é que essa posição ficou clara só com a sua morte.

Quando morreu, todos se deram conta de que tinha se perdido uma oportunidade, uma saída para acontecimentos políticos nacionais. Morreu e com ele ficou a memória póstuma, em que todos reabilitam o homem público, o ex-governador de Estado, o sujeito que se elegeu com mais de 60% dos votos e se reelegeu com quase 90%. Todos estão a falar daquilo que era uma frase limpa, uma frase clara e uma visão de mundo razoável. Mas, era tudo muito cedo. Era tudo muito inoportuno ainda.

A morte, sob a forma como se fez, numa tragédia, num avião que cai, na qual morrem os amigos, morrem os companheiros, morre ele, reabilita exatamente essa memória póstuma. Vem toda ela, inteira. E nisso, exatamente, começam a aparecer algumas coisas que de outro modo não apareceriam.

Curiosamente, essa é uma virtude da morte, porque ela reabilita alguma coisa que, enquanto ela não foi chamada, não foi requerida, não faz sentido. Não faria sentido ficar discutindo o projeto de governo futuro de Eduardo Campos. Não faria sentido. Mas, com a sua morte, não só tudo se abreviou como tudo se tornou perdido. E na perda, uma reavaliação, que continua sendo feita, ampliando muito o quadro.

Hoje, todos têm certeza de uma coisa impossível de ser confirmada. Inacreditavelmente distante da realidade, mas todos têm o mesmo sentimento: ele certamente seria um presidente da república muito competente, muito surpreendente e ainda muito jovem.

É a morte. Para ela, não tem consolo. Ela vem e fica. Nela fica essa memória, que é perdida, também. Mas é uma memória que atualiza um fato: nós prestamos pouca atenção na vida.


 
Outras colunas
12/12/2012   Ouvir Erico
21/11/2012   O Elogio Inesperado
04/10/2012   Eleger é tudo isso
26/09/2012   Imagens da faca
12/09/2012   Ato de sigilo
30/08/2012   Felicidade Retomada
22/08/2012   Ufa! Estou feliz
10/05/2012   Eu mesmo outra vez
27/04/2012   Singer: um alívio
29/03/2012   Millôr
15/03/2012   E tudo mudou mesmo
01/03/2012   O menino e a bola
16/02/2012   Verão II
01/02/2012   Verão
09/01/2012   Ruído no conselho
05/01/2012   Autobiografia surpreendente
   
Colunas de 2014
Colunas de 2013
Colunas de 2012
Colunas de 2011
Colunas de 2010
Colunas de 2009
Colunas de 2008
Colunas de 2007
Colunas de 2006
Colunas de 2005
   
   
 
Depoimentos

25/10/2013
Milton do Prado, Cineasta
 
Admiro
Venho sempre que posso ao Encontros com o Professor. Admiro muito o Ru...
Cultura e educação
O Encontros é realmente muito interessante. É cultura é educação. Serv...
 
Patrocínio

Promoção Apoio Realização