Ministério da Cultura apresenta
Home
Proposta do Evento
Um pouco sobre o Ruy
Agenda de Encontros
Álbum de fotos
Colunas do Ruy
Livros
Eu Fui!
Conheça a equipe
Imprensa
Sugira um convidado
Faça contato conosco
Livro - Encontros com o Professor - Cultura Brasileira em Entrevista - Volumes I, II, III,
IV , V, VI e VII
Ver todos

  


Ouça o Encontros na
Rádio CBN 1340.
Aos sábados, às 10h,
e segundas-feiras, às 14h.

 
 
Colunas do Ruy

Cadastre-se e receba as colunas do Ruy.

Seu nome
Seu e-mail

Desejo receber novidades
no e-mail informado acima.

04/08/2011

Uma distinção juvenil

Muitas vezes, quase sempre, imagino que não seja assim. Escrevo, leio, falo, gesticulo, fico quieto (mais tempo do que se imagina), o que é mesmo que poderia interessar mais às pessoas? A escrita tem uma imensidão por trás - atenta ou distraída, depende do grau das provocações ou da surpresa. Mandam e-mails sucintos ou de uma minúcia curiosa, que abre outro universo de possível compreensão, mandam cartas no velho estilo que já tinha quase esquecido pelo correio ou postam na caixa à frente da casa ou sobre a mesa de trabalho, anônimas, discretas, para se ler depois do expediente.

E muito menos o visual, a barriguinha que ainda porto, em que pesem os tímidos esforços para adelgaçá-la, é uma referência pública. Pelo contrário, me elogiam por tê-la baixado. Faço um retrospecto de mim mesmo à frente das pessoas. É um exercício interessante, ninguém percebe o que seja, mas suspeitam de que alguma coisa está sendo engendrada. E só então, depois de considerar parte da minha vida e minha profissão, reconheço que é o timbre de voz.

Sou um sujeito relativamente grande. Para a minha juventude, a boa altura me levou ao basquete e ao vôlei, esportes que exigem mais de 1,80m, e me deixou como zagueiro no futebol. Se abro os braços ou gesticulo bastante (há ainda desses entusiasmos da fala), chamo a atenção dos circunstantes, mesmo os das outras mesas. Mas já quase não gesticulo, prefiro falar baixo e ser comedido. Não seria um circunspecto falando baixo que haveria de chamar a atenção.

Lembro-me, então, de um amigo de infância, o Hans, quando perguntado o que poderia dizer a meu respeito. Ele sentou-se melhor na cadeira para dar mais ênfase à resposta e me definiu:

- O Ruy é o único cara que diz manteiga, não mantega, como todo mundo.

Foi uma distinção juvenil.


 
Outras colunas
30/11/2011   A memória
23/11/2011   Um amigo antigo
09/11/2011   O cerco na Feira
26/10/2011   Muita coisa está mudando
19/10/2011   Companheiro de chope
13/10/2011   Lugar da poesia
05/10/2011   Afinal, o quê?
21/09/2011   Pilchado ou não
14/09/2011   Ah, os carecas precoces!
31/08/2011   O nome dele era Guri
24/08/2011   O livrinho da estante
04/08/2011   Contardo, desculpe
20/07/2011   Gentileza com bailarina
13/07/2011   Tristeza, pra quê?
06/07/2011   Uma direção ou nenhuma
29/06/2011   Ajuste de Mira
15/06/2011   Acalmar-se, enfim
01/06/2011   Olívio Dutra na livraria
18/05/2011   Frio na barriga
11/05/2011   Sem lado
05/04/2011   A foto depois
20/04/2011   Apenas um reencontro
13/04/2011   Sugestões da gripe
06/04/2011   Marlon Brando e eu
30/03/2011   Quase um estranho
23/03/2011   Voar e saber
16/03/2011   Sapato velho
03/03/2011   Perder um amigo
17/02/2011   As férias com nada
   
Colunas de 2012
Colunas de 2011
Colunas de 2010
Colunas de 2009
Colunas de 2008
Colunas de 2007
Colunas de 2006
Colunas de 2005
   
   
 
Depoimentos

25/10/2013
Milton do Prado, Cineasta
 
Admiro
Venho sempre que posso ao Encontros com o Professor. Admiro muito o Ru...
Cultura e educação
O Encontros é realmente muito interessante. É cultura é educação. Serv...
 
Patrocínio

Promoção Apoio Realização